Renfe inicia os testes de Comboio de passageiros de GNL em Espanha

Os primeiros testes de tração na Europa de um comboio movido a gás natural liquefeito estão em
andamento na Espanha.

Os testes, conduzidos na linha entre Mieres e Figaredo, analisarão as potenciais vantagens ambientais e económicas que o gás natural pode oferecer no transporte ferroviário usando linhas não eletrificadas. em atendimento ao lançamento foram o Ministro do Desenvolvimento da Espanha, Íñigo de la Serna, e o Ministro de Energia, Turismo e Agenda Digital, Álvaro Nadal.

O objetivo do projeto, liderado pela Renfe em conjunto com a Gas Natural Fenosa e a Enagás, e em colaboração com o Bureau Veritas, é verificar a viabilidade de uma solução com potenciais vantagens ambientais e económicas para o tráfego que atualmente utiliza diesel na Espanha.

O projeto faz parte do plano de descarbonização e eficiência energética em que a Renfe e a ADIF trabalham e dentro da estratégia para promover o Veículo com Energias Alternativas (VEA) na Espanha 2014-2020, em conformidade com o objeto e o escopo de aplicação do Parlamento Europeu. A diretiva 2014/94 sobre a implementação de uma infraestrutura para combustíveis alternativos. A ADIF é uma empresa estatal espanhola, sob a responsabilidade do Ministério das Obras Públicas e Transportes, responsável pela gestão da maior parte da infraestrutura ferroviária do país. O plano de descarbonização e eficiência energética do transporte ferroviário, o mais sustentável em termos absolutos, é fundamental para melhorar o sistema global de transportes em Espanha do ponto de vista ambiental e energético.

Este projeto também está alinhado com os objetivos da futura Lei de Mudança Climática e Transição de Energia, preparada pelo governo. A lei acima mencionada irá marcar o caminho para alcançar os  compromissos internacionais adquiridos sobre as alterações climáticas e energia de forma eficiente. No cumprimento dos objetivos de redução de emissões, os caminhos-de-ferro desempenham um papel fundamental.

Segundo dados do Ministério da Energia, a ferrovia consome praticamente metade de toda a eletricidade utilizada no setor de transporte na Espanha (45,8% contra 20,1% da rodovia). Além de continuar com a eletrificação da ferrovia, é conveniente apostar em alternativas. E o gás natural é o combustível alternativo com melhores condições para realizar uma transição segura e eficiente a curto prazo, por razões de disponibilidade, preço e estabilidade.

Teste de locomotiva de GNL modificado

O projeto de inovação em tração ferroviária analisará a viabilidade da adaptação de veículos ferroviários para operação com motores e tanques de GNL e as correspondentes implicações técnicas, jurídicas, económicas e ambientais para a rede ferroviária espanhola e europeia.

Os testes com o motor GNL são programados em um trem auto-propulsionado do Feve Diesel Park (2600) em um trecho de cerca de 20 quilómetros entre a estação de Trubia e a estação de Baiña, com extensão a Figaredo, nas Astúrias.

O motor diesel de uma das duas unidades automotoras emparelhadas foi substituído por outro que consome gás natural para sua propulsão e os tanques nos quais o GNL será armazenado juntamente com os elementos auxiliares necessários foram instalados.

Circulações permitirá contrastar os resultados obtidos, tanto para a tecnologia de diesel e gás, uma vez que uma unidade de trator é mantida com cada tipo de combustível no mesmo trem.

A partir desses testes, serão tiradas conclusões sobre os requisitos técnicos de espaço, peso, refrigeração e autonomia para a tração do gás natural, além de outras considerações e variáveis comparativas em emissões e economia operacional.

O projeto contempla a incorporação de motores de GNL a uma série de trens nas Cercanias de Astúrias para prestar serviços na linha Cercanías (Baíña-Collanzo).

Vantagens como combustível alternativo

O gás natural oferece várias vantagens como combustível ferroviário. Pode ajudar a reduzir a poluição ambiental, reduzindo as emissões de óxidos de nitrogénio (NOx), óxidos de enxofre, material particulado (PM) e monóxido de carbono (CO), poluição sonora e gases de efeito estufa, além de abrir opções diante de possíveis novas demandas ambientais no setor ferroviário. Os estudos para o setor ferroviário prevêem, em comparação ao diesel, uma redução entre 20% e 30% nas emissões de dióxido de carbono (CO2); entre 70% e 90% nas emissões de óxido de carbono (CO); 99% em dióxido de enxofre (SO2) e 90% em material particulado.

Do ponto de vista económico, pode contribuir para a redução dos custos operacionais devido a um melhor cenário geral de preços em relação aos combustíveis de petróleo, reduzir a dependência energética dessa fonte e oferecer uma alternativa ao investimento na eletrificação de secções não
eletrificadas.

Fonte: Renfe Operadora

0 Likes
77 Visualizações

Também pode estar interessado em :

Deixe um Comentário

Please enter your name. Please enter an valid email address. Please enter message.